Você não precisa do tênis da moda

Créditos da foto : Julia Dang l The Line Up

Vou contar uma coisa para vocês : houve uma época em que eu estava obcecada em ter aquele famoso tênis da adidas que todo mundo tinha e que eu obviamente não tinha. Quando eu falo que virou uma obsessão é porque de fato, eu ficava pensando no meu tênis da adidas branco com as três listras pretas ao lado dele o dia inteiro. Até que durante as minhas férias de 2016 eu fiquei tão chateada porque não consegui comprar o danado do tênis e já estava tão frustava porque nunca achava o tamanho do meu pé, que simplesmente larguei de mão. E, por mais engraçado que pareça eu me senti muito bem ao perceber que aquilo não ia me trazer felicidade.

Acontece,
que se você é uma pessoa como eu que adora mídias sociais e que gosta de entrar no Pinterest ou no Instagram (essas são as redes sociais que eu mais uso) para buscar inspiração de looks, estilos diferentes e fotos você pode acabar desejando coisas que você na verdade nem poderia imaginar que desejava. Parece que acontece um certo tipo de mágica que faz com que o nosso cérebro comece a captar essa mensagem subliminar em tudo que a gente dá like ou pina. Pelo menos comigo funciona mais ou menos assim : “olha que legal isso aqui, deixa eu ver de qual loja…hmm..nossa todo mundo tem né?! Deixa eu adicionar a minha lista de desejos”. Pronto! Em segundos eu acabo de adicionar mais um item a lista de desejo de coisas que eu nem imaginava desejar.

 

Agora imagine você ser bombardeada o dia inteiro com esse tipo de informações ?! Parece inocente, como quando você era criança e ia ao shopping com seu pai, parando de vitrine e vitrine e apontando as coisas que você queria, sem saber é claro do custo real daquilo. As mídias sociais é a vitrine da nossa sociedade hoje em dia. Você não precisa mais estar em um shopping para sentir aquela vontade de comprar algo. E, é aí que mora o perigo.

 

Retomemos ao tênis. Depois de toda a minha frustração com o tênis da adidas e o fato de que eu simplesmente não conseguia comprá-lo, parei para a analisar se eu realmente precisava daquele tênis em específico. Certamente, precisava de um tênis novo, principalmente porque venho abrindo mão de usar saltos e queria um tênis que fosse confortável, de boa qualidade, bonito e que eu conseguisse usar com roupas mais sociais. Mas eu realmente, precisava daquele!? Só poderia ser ele?! Queria ter pensado dessa forma um pouco antes, para evitar algumas situações chatas que passei. Comecei a me questionar e isso meus caros amigos, é uma coisa imprescindível quando você está na busca de consumir de forma consciente. Foi nessa hora que eu refleti de verdade sobre o X da questão. Eu não precisava daquele tênis *insira aqui um fundo musical de fogos de artifícios*. Eu precisava de um tênis, mas não aquele. Queria um tênis branco, mas não precisava de um tênis branco da adidas porque senão eu ia morrer (Ok, ok estou sendo um pouco dramática aqui).

Porém, tudo em mim me fazia acreditar que isso não era verdade, porque toda vez que eu ia buscar alguma referência de como usar um tênis com uma roupa social, ou toda vez que eu abria meu instagram eu só me deparava com esse tênis. Sério. Real. De repente, de alguma forma o adidas classic estava dominando o mundo e eu era a única menina que não me encaixava nesse mundo. Pelo amor de Deus, até uma criança recém nascida tinha esse tênis menos eu. Me despertar para isso, fez que eu entendesse as minhas necessidades e que eu não desperdiçasse mais meu tempo, nem dinheiro, nem mesmo paciência com esse assunto. Pode parecer bobo, mas para quem está na busca de comprar de forma consciente, cair numa cilada dessa faz com que a gente fique meio desconcertada por um tempo.No fim, eu consegui um tênis que definitivamente não era aquele, mas que atendia todos os requisitos que eu estava buscando.

Recentemente me vi abrindo o Pinterest e vendo como de repente agora todo mundo tem o vans classic. E foi por causa dele que senti a necessidade de escrever esse texto. Meu namorado, falou que ia me dar um vans classic de dias dos namorados e isso me fez querer o vans depois dele me contar isso. Mas, após passar um tempo analisando e de já ter vivido uma experiência de ser influenciada digitalmente, eu pude fazer uma coisa incrível : pensar. Refletir sobre isso me fez perceber o quão rápido é um movimento de influencia de massa na internet e o quão você pode se sentir um pouco um peixe fora da água por não estar participando daquela onda. Só deixa eu dizer uma coisa para vocês : não tem nada de errado. Você não está sozinha. Definitivamente não é um peixe fora d’água. Eu poderia ficar aqui escrevendo sobre o quanto o tanto de informações que recebemos nas mídias podem nos influenciar e afetar na nossa forma de consumir, sobre o quão rápido uma nova tendência está na moda, mas não quero deixar o texto mais longo do que já está, por isso vou concluir dizendo que :

Estar na busca por uma vida minimalista e querer consumir de forma mais consciente é sempre buscar fazer essas reflexões. É sempre se questionar. Sempre mesmo. Questionar por que, como, onde, quando, se vale a pena, se é importante, se você precisa de fato daquilo. É sempre olhar para si. Às vezes, você vai perceber que não é tão simples e pode cair em armadilhas, mas às vezes (e quando isso acontece é especial) você vai perceber que isso não é o mais importante. Não existe nada de errado em comprar uma coisa que você deseja. É gostoso até, eu sei disso, já fui vendedora, sei como é. Portanto, mais importante do que comprar um produto só porque está todo mundo usando (e que daqui a um segundo vai ser outra coisa) é você saber que está comprando porque você realmente quer e aquilo vai acrescentar na sua vida de forma positiva, sem gerar danos financeiros.

Então, não se sinta excluída por não ter o tênis da moda. Você não precisa usar o que está todo mundo usando para se sentir estilosa, você já é estilosa só sendo você mesma. e vamos combinar, que há boatos que o vans nem é tão confortável assim, risus. 

com amor, 
Clara Rocha.

 

10 comentários sobre “Você não precisa do tênis da moda”

  1. Hahaha eu amei esse texto!
    Eu sou a pessoa que mais odeia tênis na vida: Acho desconfortável, feio (em mim) e bleh, não gosto desde pequenininha. Tenho um all star classicão porque de vez em quando é necessário – não dá pra viver de bota e rasteirinha, né?(muito menos descalça, que era minha vontade de verdade)- mas simplesmente não gosto de tênis.
    Aí veio essa loucura desse tênis branco aí que eu nem sabia o nome até esse post mas que TODO MUNDO tinha. E comecei a pensar “Nossa, mas aquele tênis nesse look aqui…” e tipo… oi? EU NÃO GOSTO DE TÊNIS DONA LAURA, LEMBRA DISSO? Hahahah… Quando eu era mais nova o ódio da minha vida era ter que usar tênis, fiquei feliz quando terminei a escola porque NUNCA MAIS TENIS OBRIGATORIAMENTE e… Tava lá eu pensando no tênis. É muito louco o que a mídia/redes sociais fazem com a gente mesmo.
    Tem muito tempo que tô nessa onda de consumo consciente e consegui me manter consciente, mesmo pensando que “nó, aquele tênis ia ficar legal nesse look” e vinha um “mas eu ia gastar uma grana absurda num negócio que eu odeio”…
    Algumas outras dessas “ondas” são mais difíceis de manter o foco, mas é bom quando passa e a gente percebe que conseguiu, né?
    Beijos!

    1. NOSSA LAURA! fico tão feliz de saber que eu não sou a única que acaba entrando nessas situações e adicionando itens a minha listinha de compras que são desnecessários. Obrigada por compartilhar sua experiência comigo.
      HAGAHAHAHAHAH gente primeira pessoa que conheço que odeia tênis! Que louco. Adoro botas também, mas sem sombras de dúvidas andar descalça é a melhor coisa do mundo. ♥

  2. amei esse texto, miga ♥ atualmente nós somos influenciados o tempo todo e EM TODOS OS LUGARES. chega a ser um negócio absurdo, ne? e se a gente não repara nisso (eu mesma não reparei por anos) acabando sendo levadas por tendências, e acabamos caindo nessa de querer o que todo mundo tem, só porque todo mundo tem. é tenso.

  3. SIM SIM SIM SIM! Nossa, que post maravilhoso! Eu já me senti assim mil vezes (mesmo negando pra mim mesma). Ultimamente fiquei doida pela tal da Parka verde, até me dar conta que não precisava dela realmente, que nem fazia tanto meu estilo assim. E investi em um bom casaco de uma loja que eu admiro e vou usar um monte. O lance é mesmo olhar pra dentro e refletir, sem se deixar levar por essa pressão toda.

  4. Sou estudante de Comunicação Social e o processo das marcas é exatamente esse. Te fazem querer algo pela constância que aquele produto aparece nas redes sociais, nas vitrines, nos videoclipes. É tudo um grande show, articulado por mentes estrategistas para convencer um público alvo determinado. Por já ser “do ramo”, penso mil vezes antes de comprar algo. Sempre me pergunto “hm, será que preciso?” ou “quem quer isso, o meu ego ou a minha necessidade?”. É claro que podemos investir em algo que não precisamos, desde que, seja algo que vá contribuir para nosso bem estar. Já comprei tênis que ficam lá, jogados no guarda-roupa e acabo sempre doando (parte boa), mas ter essa consciência que você falou, é ESSENCIAL. Somos o que somos e não o que temos.

    1. Nossa seu comentário me arrepiou do começo ao fim! Realmente é muito importante termos essa consciência. Eu não sou contra as compras, eu não sou contra você comprar algo que não precise, desde que aquilo realmente faça sentido pra você e que você vá usar, não é só em relação a tênis, mas a tudo. As vezes não vale a pena eu comprar por exemplo um sobretudo, já que em minha cidade não faz frio pra isso. Entende?! Comunicação de massa é isso, são as mensagens subliminares que recebemos e que fazem a gente desejar algo dessa forma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.