01. j a n e i r o : o primeiro mês do ano

Trinta e um dias no mês de Janeiro. 31 formas de tentar fazer algo bom e diferente. Trinta e um. Parece pouco, mas não é.  Decidi me arriscar mais esse mês e fazer coisas que estão foras da minha zona de conforto, isso incluiu : música, livros, artes (será que vocês notaram diferença nas minhas fotografias esse mês ? Gostaram das mudanças ?). Essa mudança me despertou para um sentimento de descoberta muito significativo. Nós estamos acostumados ao habitual e de repente quando mudamos, uma coisa pequena, singela e até banal na nossa rotina, é como se houvesse um clique, clique, clique que mudasse algo dentro de nós.

Sabe quando você passa por uma rua todos os dias ? Você passa exatamente pela mesma calçada, todo santo dia. Você já sabe os buracos e plantas que ficam perdidas e soltas por ali. Já sabe se em alguma casa tem um cachorro que late e late sem parar quando alguém passa, sabe até quais são as cores de cada portão de cabeça. E, não me entenda mal, eu mesma adoro essa sensação confortável de saber o que está por vir. E, então, um dia você decide ir pela outra calçada, da mesma rua. Só que do outro lado e de repente tudo parece ser diferente e bom na mesma medida. Janeiro foi assim para mim.

Comecei a ler um livro incrível chamado Mulheres que correm com os Lobos (Mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem) escrito por Clarissa Pinkola Estés uma psicanalista junguiana e nele vamos descobrindo um pouco sobre nossa ancestralidade, sobre o feminino no íntimo e como carregamos mesmo que inconscientemente essa mulher selvagem dentro de nós. Ganhei esse livro de uma amiga no meu aniversário de 25 anos e sinceramente, talvez nunca fosse comprar ele, se estivesse dentro de uma livraria. Mas como ganhei decidi começar o ano lendo ele e que surpresa gratificante! É um livro que vêm aquecendo meu coração de tantas formas, que merece um post só para ele. Mesmo assim vale a menção aqui, já que é um livro do qual eu não estava habituada a ler. Viu, andando na mesma rua, mas do outro lado da calçada!

“[…] Cantar significa usar a voz da alma. Significa sussurrar a verdade do poder e da necessidade de cada um, soprar alma sobre aquilo que está doente ou precisando de restauração. Isso se realiza por meio de um mergulho no ponto mais profundo do amor e do sentimento, até que nosso desejo de vínculo com o Self selvagem transborde, e em seguida a expressão da nossa alma a partir desse estado de espírito.” PÁG : 42

 

+ Também li nesse mês : A rainha Vermelha e Espada de Vidro ambos da autora Victoria Aveyard. Um livro de distopia, traição, guerra e romance. Não tenho ainda uma opinião formada sobre a saga de Mare Barrow. Quando tiver terminado, volto aqui para dizer o que achei.

No quesito música, também escolhi atravessar a rua e ir por uma calçada diferente de tudo aquilo que estou acostumada. Sou uma pessoa bem eclética. Gosto de ouvir de tudo um pouco. Rock, Indie, Pop, K-POP, rap, hip-hop, jazz, blues, mpb, funk. Tudo! Mas nesse mês teve uma Playlist que não parei de ouvir o mês inteiro que é da Rachel Nugyen, uma asiática que eu gosto muito e que eu acompanhei durante meu mês inteirinho de dezembro através do Youtube. Só que a música do mês de Janeiro, aquela que eu não PAREI de ouvir. Aquela que ficou no Repetir do spotify, foi de uma artista maravilhosa chamada Natalia Lafourcade e eu te desafio a por um play e não se contagiar com a energia BOA que tem essa música! É impossível.

No blog também houve algumas mudanças a primeira é que agora temos uma categoria de poesia, chamada versus versos e já temos duas poesias escritas pela Ágatha publicadas // Era vitoriana // As luzes se apagam. Não sei definir qual a minha favorita, talvez a segunda.  Teve também um vídeo sobre um produto que usei praticamente todos os dias em Janeiro e está entre os favoritos da minha vida. ♥ Além disso, aos poucos estou conseguindo chegar onde queria com o blog e com os posts de moda. Qual foi o favorito de vocês ?

4 dicas para melhorar suas compras no brechó
Look branco, preto e jeans ♥

 

corazón tu si sabes quererme como a mi me gusta • ph : @brayleao 🧡

Uma publicação compartilhada por ana clara 아나 (@leuxclair) em

Teve esse ensaio incrível que o Brayan fez de mim. E alguns outros ensaios bacanas que eu fiz de outras pessoas, mas uma em especial eu fico extremamente feliz por ter fotografado a linda da Jaqueline que eu amei conhecer em minha visita para Essepê e que tive o PRAZER imenso de rever aqui no Rio de Janeiro. Se vocês quiserem conferir o ensaio completo é só me acompanharem no meu segundo instagram clicando aqui!

 

Em Janeiro também tive a oportunidade de visitar um lugar que eu amo muito : Ilha Grande. Fui fazer um passeio de lancha com o Brayan, minha mãe e os amigos do trabalho dela e eu não sei vocês, mas para mim estar no mar é recarregar todas as minhas energias. Amo muito. Mesmo. Tem água ? Tô amando! hmmm ♥

 

Outro momento que vivi em especial com minha mãe foi arrumar meu antigo quarto da adolescência na casa dela. Já não moro com a minha mãe a quatro anos, mas tudo estava exatamente igual desde que parti. Um dia combinamos em ir lá e dar um jeito naquelas coisas que estavam ali sem utilidades. Me desfiz de muitas coisas, outras permaneceram lá, algumas vieram para minha casa e entre essas coisas uma história que criei quando tinha QUINZE ANOS de idade, dez anos a menos! Fiquei surpresa com minha escrita. Foi super gratificante me reconectar com o passado e deixar espaço para que novas coisas possam surgir. No fim do dia, ao terminarmos de arrumar o sentimento foi de leveza.

 

Esse foi um pouco (ok, nem tão pouco assim porque como sempre não consigo me conter e acabei escrevendo demais!) do meu mês de Janeiro. Como foi o de vocês ? Usem o espaço de comentário, para me contarem TUDINHO, em detalhes ok ?

 

com amor,
Clara Rocha.

 

ps // teve também a primeira news do blog falando sobre o ato de se perdoar

13 comentários sobre “01. j a n e i r o : o primeiro mês do ano”

  1. Sou suspeita pra falar porque adoro tudo o que você cria, Estou adorando as fotos, as poesias da Ágatha (alías, seria Ágatha por causa da autora do crime?) e adorei as dicas de compras em Brechós. Ah e as fotos do Brayan são incríveis, você ficou linda Clarinha! ♥

  2. Suas fotografias estão cada dia mais lindas Clara. Adoro o seu olhar sobre as coisas, as pessoas… Brayan também tá de parabéns, adoro as fotos analógicas dele. <3

    Ilha Grande é mesmo um lugar mágico. Tem tempo que eu não vou, mas é sempre uma experiência maravilhosa, de recarregar as energias. Beijo, beijo :*

  3. Ah, que lindeza de post e de fotos!
    Janeiro foi conturbado por aqui, mas também tive essa sensação de tentar coisas de um jeito diferente e no fim das contas o saldo foi bom!
    Saudades passar por aqui e interagir com você… tentando voltar à ativa no mundo da blogsfera!
    Beijos!

  4. Eu sei que fico cada vez mais apaixonada por suas fotos e todas que você compartilha eu gosto muito. É bom mudar, testar coisas novas e respirar novos ares.. as vezes é isso que a gente precisa pra não cair na rotina, não é? Eu amei esse pensamento de ”andando na mesma rua, mas do outro lado da calçada”
    <3
    Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.